Motorhomes NETBR » Blog Archive » 09/JUN/10 - Ba√≠a Formosa. Precisa dizer mais?

09/JUN/10 - Baía Formosa. Precisa dizer mais?

Praia do Sagi: Rusticidade contorna toda a paisagem

Praia do Sagi: Rusticidade contorna toda a paisagem

Lindo conjunto de praias, santu√°rio da Mata Atl√Ęntica e, de quebra, um dos melhores ‚Äúpoints‚ÄĚ de surfe do Nordeste. Assim √© Ba√≠a Formosa, ponto final no roteiro do Litoral Sul potiguar. Depois dela, j√° √© Para√≠ba. Descoberto e redescoberto tantas vezes nos √ļltimos anos, o destino consegue se manter bem preservado, com um n√ļmero ainda razo√°vel de visitantes.

Ba√≠a Formosa guarda o contraste entre a bela ba√≠a urbana que lhe d√° nome e misteriosas praias desertas, algumas com acesso apenas a p√© ou de ve√≠culo com tra√ß√£o nas quatro rodas. ‚ÄúBF‚ÄĚ, como √© chamada pela comunidade do surfe, tamb√©m abriga uma das mais importantes reserva de Mata Atl√Ęntica do estado.

A cidade, que fica pr√≥xima √† divisa do Rio Grande do Norte com a Para√≠ba, est√° a 94km de Natal, 110 de Jo√£o Pessoa e 220 de Recife. Antes mesmo de chegar, o visitante j√° sente uma atmosfera natural e agrad√°vel na estrada cercada de coqueirais e mata nativa que liga a rodovia BR-101 a Ba√≠a Formosa. Vista do alto, a ba√≠a, que de t√£o exuberante recebeu o nome de ‚Äúformosa‚ÄĚ, brinda o turista logo na chegada da cidade.

Al√©m de estar consolidada no roteiro tur√≠stico do Litoral Sul, Ba√≠a Formosa tamb√©m faz parte dos circuitos profissional e amador de surfe. A praia recebe v√°rias competi√ß√Ķes ao longo da temporada. O Pontal √© um dos pontos favoritos dos surfistas, por causa das ondas e tubos perfeitos. A praia do Farol tamb√©m √© muito procurada, principalmente pelos que preferem mar aberto, ondas grandes e com muita press√£o.

As praias de Baía Formosa, porém, são verdadeiros santuários ecológicos. Suas areias servem de abrigo para ninhos de tartarugas marinhas, enquanto suas águas são visitadas pelos peixes-boi e pelos golfinhos, que dão um verdadeiro show quase todas as manhãs.

Mas a costa n√£o √© o √ļnico reduto das esp√©cies nativas. Tamandu√°s, saguis, cotias, aves diversas e o rar√≠ssimo macaco Guariba vivem na Mata Estrela, maior reserva de Mata Atl√Ęntica sobre dunas do Brasil, com 2.365 hectares divididos entre florestas, dunas e lagoas. A reserva pode ser explorada em trilhas guiadas a p√©, de bicicleta ou a cavalo.

Além da fauna, o visitante vai encontrar alguns impressionantes exemplares de nossa flora. Um deles é a Gameleira centenária, que tem 30m de altura. Sua copa é do tamanho de um ginásio de esportes e são necessárias oito pessoas de mãos dadas para abraçar seu tronco.

As lagoas também são destaque no roteiro. Situadas entre as dunas e a Mata Estrela, elas têm água morna e limpa. A mais visitada é a Lagoa da Coca-Cola, que ganhou esse nome devido à sua cor escura, resultado da pigmentação das raízes e de outros componentes do solo. Parada obrigatória dos grupos de turistas que passeiam de bugue na região, a lagoa carrega a lenda de ter um banho rejuvenescedor e purificante.

Além de conhecer a natureza de Baía Formosa, o visitante também não deve deixar de conhecer a área urbana. As artesãs da cidade, que já exportam sua produção para todo o Brasil e o exterior, têm mãos de fada para fazer lençóis, toalhas, panos de bordado e fuxico, além de bonecas e artigos de decoração.

O roteiro em 4×4, pela beira-mar

De um lado, o azul do mar. Do outro, o verde intenso da Mata Atl√Ęntica. O passeio pela beira-mar de Ba√≠a Formosa revela uma s√©rie de praias exuberantes. A maioria √© completa e deliciosamente deserta. Umas sugerem o surfe. Em outras h√° convidativas piscinas naturais na beira, docilmente formadas por arrecifes.

O passeio oficial dos bugues e carros 4×4 come√ßa na praia de Cacimba, point de surfistas, e logo descortina o curioso Farol Bacopari. Como est√° na dire√ß√£o de um litoral repleto de pedras, o farol tem cores de advert√™ncia: preto e branco. Seu sistema de fotoc√©lula permite apagar a luz automaticamente durante o dia, acendendo-a naturalmente √† noite. Tal avan√ßo tecnol√≥gico acaba com a figura lend√°ria do “faroleiro”.

Depois das praias de Bacopari, do Farol e de Perobas, surge Barreirinhas, com direito a concorrida mina de √°gua doce sob as fal√©sias. A parada para o “drinque” √© inevit√°vel. Outra caracter√≠stica da praia √© o fato de as dunas circundantes serem cobertas de barro. Da√≠ o nome Barreirinhas. O pontal de Jo√£o dos Santos vem a seguir e homenageia um eremita que escolheu a praia para viver.

Conhecer a Mata Estrela faz parte do roteiro. Basta virar à direita. Só carros com tração nas quatro rodas conseguem entrar. Um banho na Lagoa da Coca-Cola é essencial. Analisar a flora e fauna, idem. De volta à beira-mar, o roteiro prossegue pelas praias de Cachoeira, Urubu, Cotia, Sagi e Barra do Guaju. Em cada trecho, uma atração peculiar. Na praia da Cachoeira, o próprio nome já sugere o diferencial.

Mas se passar um dia num local extremamente simples for sua “praia”, corra! Sagi ainda est√° muito longe do desenvolvimento. Por isso, √© show de paz e relaxamento. Atra√ß√Ķes? S√£o poucas. Uma delas √© o rio Guaju, que cruza o lugarejo e separa o Rio Grande do Norte da Para√≠ba. No lado potiguar (claro…) h√° uma curiosa √°rea de prote√ß√£o do peixe-boi marinho, que sai do mar para se acasalar no rio.

Outra atra√ß√£o ecol√≥gica: a praia tamb√©m √© habitat natural de golfinhos. Eles est√£o sempre por l√°, serelepes e aparentemente alegres. Os cardumes de atuns e tainhas s√£o outros fregueses “de carteirinha”. O que mais? O pr√≥prio sil√™ncio do vilarejo, o descanso das jangadas que se perfilam na areia, o semblante humilde dos nativos e a vida absolutamente espont√Ęnea. Se o turista contabilizar estes √Ęngulos como atra√ß√Ķes, vai fazer a festa em Sagi.

Um dos poucos equipamentos turísticos de Sagi é o Ombak, um mix de restaurante e botequim de propriedade do paulista Juvino Soares. Tudo é pitoresco na casa, onde a cachaça é o carro-chefe. Os diferentes tipos de aguardente que saem dos tonéis variam não só no paladar, mas na própria aromatização. Juvino usa frutas silvestres, raízes e cascas da Mata Estrela para patentear suas cachaças, que têm sabores curiosos como aniz, murici, ubaia, canela, jatobá, alcaçuz e pau Brasil, entre outros.

Fonte: Emprotur



Comente aqui